Análise de redes para compreender a polarização política do Brasil no Facebook

Uma série de fatores têm gerado no Brasil, nos últimos anos, uma polarização cada vez maior em torno da política. Reflexo também do cenário mundial, a Esquerda e a Direita vivem um momento histórico de extremidades cujo as novas formas de sociabilidade digital da contemporaneidade favorecem para a manutenção e expansão desse fenômeno. Em termos simples, trata-se da discussão em torno das “bolhas sociais/políticas” do Facebook.

Com mais de 100 milhões de usuários apenas no Brasil, o Facebook é a mídia social mais utilizada pela população local e em todo o ocidente. É mais do que compreensível, portanto, que a plataforma tenha se tornado um grande palco das discussões políticas no país. E além das conversações que ocorrem diretamente em perfis de usuários ou em grupos específicos, há dezenas de milhares de páginas feitas por usuários comuns e militantes de todos os espectros estão dedicadas a temas como política, economia e notícias.

Para ajudar a dar conta desse cenário caótico e complexo, a técnica de Análise de Redes Sociais voltada para mídias sociais pode ser uma ferramenta extremamente útil. Além de permitir o mapeamento dessas páginas referidas, possibilita também gerar métricas de autoridade e impacto e medir posicionamento e proximidades temáticas e políticas. O trabalho de análise de redes transforma a complexidade em algo manejável cognitivamente e permite representá-la em visualizações quase intuitivas.

A rede que você vê acima, por exemplo, foi feita através de um trabalho de ARS no qual foram extraídas a rede em torno de 40 páginas com “Esquerda” no título e 40 páginas com “Direita” no título. A visualização acima (clique para explorar de perto) representa 2.1 mil páginas e suas conexões, das quais, à esquerda, são melhor referenciadas: Lula, Carta Capital, Partido dos Trabalhadores, Dilma Rousseff, Soldadinho de Chumbo; e, à direita: Jair Bolsonaro, Direita Conservadora, Olavo de Carvalho, Canal da Direita, Danilo Gentili.

Veja abaixo as principais páginas do agrupamento de Direita. Na primeira coluna, o ranking das páginas levantadas para o nosso estudo, em termos da métrica Grau de Entrada que, nesta rede, equivale às curtidas de páginas similares. Na segunda coluna, as outras páginas referencias:

E abaixo as principais páginas do agrupamento de Esquerda. Na primeira coluna, o ranking das páginas levantadas para o nosso estudo, em termos da métrica Grau de Entrada que, nesta rede, equivale às curtidas de páginas similares. Na segunda coluna, as outras páginas referenciadas:Além de identificar como atores políticos estão posicionados na rede, o trabalho também permite localizar como os veículos de mídia, por exemplo, aparecem diante esse cenário. Na rede interativa que disponibilizamos aqui, conseguimos perceber como as páginas da Veja, Globo News e O Globo são referenciadas pela Direita, enquanto a Época está mais próxima da Esquerda. Curiosamente, a Folha de S. Paulo é a página de mídia mais equidistante dos dois núcleos.

Esse método de pesquisa e análise pode também nos ajudar a descobrir outras questões, como, por exemplo: como influenciadores e público nas mídias sociais estão percebendo os veículos de mídia na atual crise política? Qual a diferença de percepção entre influenciadores próximos à direita e esquerda? Como os principais veículos se comparam? São apenas algumas das possibilidades que te permitem expandir o conhecimento e gerar mais inteligência.

Venha debater este e outros temas conosco em nossos cursos, conheça o pacote de cursos online de Análise de Redes, Monitoramento e Etnografia em Mídias Sociais. Com professores referências no mercado e academia, a formação tem o objetivo de ensinar conceitos, ferramentas e técnicas detalhadas nas áreas pertinentes.

postrelacionados

Tags:  ,   ,   ,   ,   ,   ,   ,  

Comentários

comments

Comentários (3)

Deixe um comentário