Novo ativismo político: participação política na questão contemporânea

Falando mais sobre o livro Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais, recentemente lançado pela Editora IBPAD, o capítulo intitulado como “Novo ativismo político: participação política na questão contemporânea”, escrito por Débora Zanini, tem como principal objetivo analisar a participação política nos ambientes online, que configuram um novo cenário para o ativismo político contemporâneo.

As últimas décadas foram marcadas por mobilizações sociais, como a Primavera Árabe e Occupy Wall Street, resultantes de situações econômicas e sociais precárias em diversas sociedades. Nessas reivindicações, um dos pontos de destaque é a maneira como os movimentos são organizados, fazendo uso das tecnologias da informação e potencializando a atuação dos jovens, que se encontram no centro da organização dessas mobilizações.

Diante disso, é importante analisar e buscar compreender esses novos formatos de organizações em manifestações de cunho político, por meio de teorias interdisciplinares que se preocupem com o sujeito/objeto das relações humanas e sociais.

A internet tem feito, cada vez mais, parte da vida das pessoas de forma que não haja separação entre a atuação online e offline. Dessa forma, os indivíduos criam relações sociais e se articulam levando em consideração sua construção como sujeito coletivo e político, resultante de sua trajetória. Ao contrário do que se achava até há pouco tempo, as pessoas não se separam de seus valores e de suas identidades quando interagem e se manifestam em redes sociais.

Ao fazer parte do cotidiano das pessoas, a internet passa a ser muito mais do que apenas um instrumento: ela possibilita que as pessoas estruturem suas redes de relações e as utilizem para resolver problemas e tomar decisões até apoiar outras pessoas. Isso resulta na “Ação Conectiva”, conceito definido como ação política que ocorre por meio de movimentações organizadas tecnologicamente, que resultam nas ações de mobilização sem a necessidade de uma identidade coletiva ou de organizações como partidos políticos, associações sindicais ou movimentos sociais tradicionais.

É importante também, considerar outro conceito, dentro desse contexto: a Ação Coletiva. Além de indivíduos que estão conectados e que se organizam através da internet, precisamos levar em consideração as identidades construídas e compartilhadas ao longo da trajetória individual. Quando as pessoas se mobilizam em prol de alguma causa compartilhada nas redes sociais, elas se identificam umas nas outras.

Para conferir este e outros estudos, faça download do nosso livro:

* indicates required

postrelacionados

Comentários

comments

Deixe um comentário