Jornalistas e cientistas de dados formam comunidade com especialistas brasileiros sobre a COVID-19 no Twitter

A popularização da divulgação científica no Twitter durante a pandemia de COVID-19 foi construída por cientistas e especialistas que recorreram à rede social para compartilhar seu conhecimento. Esse movimento também criou uma comunidade com outros atores que ajudaram a subsidiar os divulgadores com informações, especialmente jornalistas e cientistas de dados.

Análise do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD) com dados do Science Pulse mostra a forte presença de jornalistas e cientistas de dados nas citações da comunidade científica brasileira sobre a Covid-19 no Twitter em 2020. A conversa com esses profissionais indica a procura por informações detalhadas e de qualidade para a divulgação científica sobre a pandemia na rede.

Ao todo, foram analisadas mais de um milhão de citações feitas na rede. De modo geral, existe uma certa perspectiva de homogeneidade e os mais citados em cada grupo também são cientistas, pesquisadores e professores. Neles estão inclusos alguns pesquisadores não mapeados pelo Science Pulse, bem como outros porta-vozes relevantes para a divulgação da ciência, como cientistas e jornalistas de dados. Com isso, foi possível observar que a discussão sobre a Covid-19 na rede social resultou na criação e consolidação de uma comunidade científica mais conectada, tanto no Brasil quanto no exterior.

Não há uma conversação intensa por parte dos especialistas monitorados com outros tipos de perfis como veículos da imprensa, órgãos governamentais ou até mesmo políticos. Proporcionalmente, esses perfis são pouco mencionados. O presidente brasileiro, @jairbolsonaro, não está nem entre os 200 mais mencionados no grupo brasileiro.

ORIGEM DO ESTUDO

Em dezembro de 2020, o IBPAD e o Science Pulse publicaram o relatório “Principais vozes da ciência no Twitter: Mapeando a conversa de cientistas e especialistas sobre a COVID-19”. O estudo identificou os cientistas, especialistas e organizações científicas mais influentes na conversa sobre o Coronavírus no Twitter em 2020.

O relatório usou como base os dados coletados pelo Science Pulse, ferramenta gratuita de social listening focada na comunidade científica. Foram analisadas mais de 200.000 mil publicações, entre tuítes originais, respostas e retuítes, de 1.200 cientistas, especialistas e organizações científicas sobre a COVID-19 feitas no Twitter entre junho e outubro de 2020. A rede foi elaborada pelo IBPAD em cima dessas informações e construída a partir de um código em R, que tabulou os dados em nós e arestas conforme a disposição das publicações na base.

A partir desse levantamento, o IBPAD e o Science Pulse analisam então quem são os atores externos mais mencionados pela comunidade científica nas discussões sobre o Coronavírus. O objetivo do novo estudo é mapear quais são as vozes de fora da base do Science Pulse mais conectadas aos perfis de destaque dessa comunidade. Perfis como @oatila e @luizacaires3, que estão entre os mais influentes no estudo anterior, certamente citam no Twitter usuários que não são monitorados pela ferramenta ao falar da COVID-19, como canais da imprensa, órgãos públicos, políticos ou até mesmo colegas e conhecidos.

A pergunta proposta foi: quais são os outros perfis muito citados pela rede de cientistas, especialistas e organizações científicas? Isto é, quais os perfis mais mencionados por aqueles incluídos no Science Pulse? A resposta a esta pergunta ajuda a jogar luz sobre como essa comunidade se engaja no Twitter. Utilizando a metodologia de análise de redes, foi possível mapear essas interações entre os perfis dessa comunidade científica e localizar os atores mais relevantes em cada agrupamento identificado no relatório anterior. Os grupos analisados estão divididos em: “Pesquisadores e instituições brasileiras”, “Comunidade global de cientistas”, “Perfis internacionais de articulação”, “Pioneiros sobre Covid-19 nas redes” e  “Instituições de ponta”.

Abaixo disponibilizamos o top 15 dos perfis externos mais citados pelos membros de cada grupo dentro do recorte de publicações sobre a COVID-19 de junho a outubro de 2020:

PERFIS MAIS CITADOS PELO CLUSTER: PESQUISADORES E INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

Os 15 mais citados representaram cerca de 9% do total de 170.391 menções externas do grupo.

  1. @Capyvara | 1.923 menções
  2. @TemCiencia | 1.490 menções
  3. @rafalpx | 1.410 menções
  4. @andre_biernath | 1.383 menções
  5. @bollemdb | 1.336 menções
  6. @tarantulae | 1.299 menções
  7. @veramagalhaes | 965 menções
  8. @msoares | 822 menções
  9. @generosoMD | 797 menções
  10. @anarina | 723 menções
  11. @turicas | 713 menções
  12. @melmarkoski | 634 menções
  13. @folha | 546 menções
  14. @schrarstzhaupt | 545 menções
  15. @Estadao | 500 menções

PERFIS MAIS CITADOS PELO CLUSTER: COMUNIDADE GLOBAL DE CIENTISTAS

Os 15 mais citados representaram cerca de 6% do total de 523.224 menções externas do grupo.

  1. @DrMikeRyan | 3.816 menções
  2. @CDCgov | 3.376 menções
  3. @jljcolorado | 2.996 menções
  4. @linseymarr | 2.642 menções
  5. @UniversalMaski2 | 1.935 menções
  6. @Don_Milton | 1.926 menções
  7. @doctorsoumya | 1.835 menções
  8. @nytimes | 1.751 menções
  9. @CorsIAQ | 1.746 menções
  10. @danaparish | 1.595 menções
  11. @ShellyMBoulder | 1.520 menções
  12. @epireport | 1.386 menções
  13. @Poppendieck | 1.383 menções
  14. @FutureDocs | 1.303 menções
  15. @HuffmanLabDU | 1.289 menções

PERFIS MAIS CITADOS PELO CLUSTER: PERFIS INTERNACIONAIS DE ARTICULAÇÃO

Os 15 mais citados representaram cerca de 7% do total de 147.295 menções externas do grupo.

  1. @DrMarthaGulati | 1.209 menções
  2. @iamritu | 1.197 menções
  3. @DocSavageTJU | 863 menções
  4. @hvanspall | 841 menções
  5. @mirvatalasnag | 771 menções
  6. @AnastasiaSMihai | 770 menções
  7. @fischman_david | 688 menções
  8. @Hragy | 681 menções
  9. @purviparwani | 651 menções
  10. @DirOPSPAHO | 599 menções
  11. @djc795 | 520 menções
  12. @ErinMichos | 473 menções
  13. @INSColombia | 463 menções
  14. @ShrillaB | 407 menções
  15. @JACCJournals | 403 menções

PERFIS MAIS MENCIONADOS PELO CLUSTER: PIONEIROS SOBRE A COVID NAS REDES

Os 15 mais citados representaram cerca de 6% do total de 176.693 menções externas do grupo.

  1. @GISAID | 1.781 menções
  2. @COVID19nCCC | 1.190 menções
  3. @CDCgov | 944 menções
  4. @CovidGenomicsUK | 911 menções
  5. @JAMANetwork | 803 menções
  6. @OncoAlert | 733 menções
  7. @hemoncwarner | 621 menções
  8. @SDesmon | 610 menções
  9. @Gender_COVID19 | 607 menções
  10. @mtmdphd | 531 menções
  11. @DrChoueiri | 523 menções
  12. @UCSF | 518 menções
  13. @peters_solange | 458 menções
  14. @myESMO | 437 menções
  15. @MDHealthDept | 426 menções

PERFIS MAIS MENCIONADOS PELO CLUSTER: INSTITUIÇÕES DE PONTE

Os 15 mais citados representaram 11% do total de 11.497 menções externas do grupo.

  1. @robertpdickson | 105 menções
  2. @ColinRCooke | 88 menções
  3. @MichaelJFoxOrg | 88 menções
  4. @iwashyna | 87 menções
  5. @PulmCrit | 87 menções
  6. @farid__jalali | 84 menções
  7. @ajaysheshadri | 83 menções
  8. @cameronks | 83 menções
  9. @emcrit | 83 menções
  10. @gattinon | 83 menções
  11. @ThinkingCC | 81 menções
  12. @NidaQadirMD | 81 menções
  13. @basbloem | 80 menções
  14. @nickmmark | 80 menções
  15. @Jopo899 | 76 menções

No grupo de Pesquisadores e instituições brasileiras, os perfis mais mencionados são de cientistas de dados, jornalistas de divulgação científica ou jornalistas de dados e saúde. Aparecem também os perfis da @folha e @Estadao, principais veículos da imprensa citados.

No grupo da Comunidade global de cientistas, professores universitários e perfis institucionais, como o da Centers for Disease Control & Prevention (CDC), recebem mais menções. Além disso, o @nytimes é o veículo de imprensa mais citado. O perfil do ex-Presidente dos Estados Unidos, @realDonaldTrump, agora banido da plataforma, foi um dos 25 mais mencionados pelo grupo.

Professores universitários, instituições, universidades e centros de pesquisa também são os mais mencionados pelo grupo de Perfis internacionais de articulação, com certo destaque para cardiologistas. O padrão se repete com o grupo de Pioneiros sobre COVID-19 na rede, desta vez com perfis institucionais em maior destaque no número de menções do que outros pesquisadores da área da saúde. No grupo de Instituições de ponta, os mais mencionados fazem parte do próprio corpo docente, ou seja, são os professores das universidades que fomentam a comunidade em si.

Importante lembrar que as menções não necessariamente significam apoio ou condescência, uma vez que a plataforma, enquanto praça pública de opinião, pode ser utilizada pelos usuários para reivindicar ou criticar atores na rede. Ou seja, uma menção ou citação a algum político específico não necessariamente corresponde a algo positivo, podendo ser – e talvez, neste caso, principalmente – um modo de responsabilizar ou cobrar os governantes pela atuação perante o contexto.

Ao analisar o que aconteceu com a rede de especialistas, esse comportamento de conversa e cobrança com os governantes não foi o que prevaleceu. Aparentemente, a comunidade científica está mais preocupada em fazer as informações de qualidade circularem.

Você está preparado para obter insights a partir das análises de rede?

O curso de Análise de Redes para Mídias Sociais já foi aprovado por mais de 900 alunos que se capacitaram e estão prontos para os desafios do mercado de trabalho. Garanta sua vaga e aprenda também a coletar dados, gerar visualizações e grafos, calcular métricas, encontrar influenciadores e comunidades com ferramentas como Gephi.

Clique aqui e faça sua inscrição utilizando o código de desconto: redestwitter

postrelacionados

Comentários

comments

Comentários (1)

Deixe um comentário