Como fazer: As votações das PECs da reforma da Previdência

 

Na segunda-feira, 03/07,  o IBPAD divulgou o artigo “As votações das PECs de Reforma da Previdência“, vinculada pelo Congresso em Foco, sobre o comportamento parlamentar nas votações de PECs de Reforma da Previdência dos governos FHC (PEC 33/1995) e Lula (PEC 40/2003).

Mesmo sem objetivo de criar modelos preditivos, o artigo explora como dados descritivos ganham mais força quando comparados longitudinalmente Para isso foram selecionados dois Projetos de Emenda à Constituição, também propostos pelo Executivo, que pudessem evidenciar comportamentos de votação dos parlamentares quando controladas as legendas às quais pertenciam.

Para os profissionais que acreditam que análise de dados aplica a Relações Governamentais é muito complexo e inacessível, seguem algumas dicas utilizadas na análise sobre a votação das PECs da Previdência.

 

  1. Desenho de Pesquisa e Importação dos Dados

A estratégia e desenho da pesquisa são essenciais para o sucesso de seu plano de análise de dados. Ambos devem considerar as limitações de disponibilidade de dados e das possibilidades de comparação na análise temporal.

No caso da análise das PEC’s da Previdência, foram consideradas como variável a votação de cada parlamentar em relação ao objeto que representou a votação final de primeiro turno em cada um dos casos, assim como a orientação de bancada para tal votação. Esse recorte foi feito de forma teórica, baseado na análise qualitativa dos casos observados. A combinação entre as duas coisas, voto e orientação, resultou na proporção de alinhamento à legenda.

Os dados foram obtidos através da API do “Dados Abertos” da Câmara dos Deputados, e importados por formato xml e compilados diretamente no Excel. A figura abaixo exemplifica o resultado da importação da PEC 40/2003.

 

Planilha da Votação dos objetos da PEC 40/2003, importada diretamente por XML no Excel.

 

  1. Tabela Dinâmica

Após a importação dos dados, a reorganização dos votos dos parlamentares, agrupados por legenda, foi feita através do recurso “Tabela Dinâmica” do Excel. Mesmo sem ter um software estatístico ou de gestão de dados mais complexo, algumas análises básicas podem ser feitas através dela.

Tabelas Dinâmica reorganizam tanto variáveis categóricas, através de contagem e frequência de casos, como variáveis numéricas. A imagem abaixo mostra as dimensões que devem ser preenchidas como forma de orientação do que deve ser reagrupado. Todas as variáveis da planilha, que correspondem a cada coluna da planilha, são listadas e podem ser distribuídas em novo esquema de dados. Para a análise das PEC, estabelecemos que o “Partido” seria a variável de filtro de linha e que nas colunas listaríamos os tipos de voto distintos. Ainda, os votos foram filtrados por “Objeto de Votação” para que pudéssemos considerar apenas aquele que correspondia à votação em primeiro turno.

Tabela Dinâmica utilizada para análise da votação da PEC 40/2003.

 

Caso nenhum cálculo específico seja selecionado, a Tabela retorna as contagens somadas a partir do cruzamento das duas variáveis solicitadas, neste caso partido e voto. Todas as categorias únicas são destacadas, como mostra o gráfico abaixo. O filtro permite que selecionem apenas a emenda especificada de primeiro turno. 

Resultado da seleção de variáveis para a PEC 40/2003

 

Após o cálculo das proporções de alinhamento, que consideram o voto por legenda e a orientação de bancada (também listada no banco de dados importado por XML) o gráfico  de barras selecionado ficou ilustrado como a figura abaixo.

 

 

 

Todos os passos envolvidos neste tipo de análise descritiva são abordados no curso de Análise de Dados para Relações Governamentais, que tem a próxima turma em 16 e 23 de Setembro.

 

postrelacionados

Comentários

comments

Deixe um comentário